Noticias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
  • 32
  • 33
  • 34
  • 35
  • 36
  • 37
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43
  • 44
  • 45
  • 46
  • 47
  • 48
  • 49
  • 50
  • 51
  • 52
  • 53
  • 54
  • 55
  • 56
  • 57
  • 58
  • 59
  • 60
  • 61
  • 62
  • 63
  • 64
  • 65
  • 66
  • 67
  • 68
  • 69
  • 70
  • 71
  • 72
  • 73
  • 74
  • 75
  • 76
  • 77
  • 78
  • 79
  • 80
  • 81
  • 82
  • 83
  • 84
  • 85
  • 86
  • 87
  • 88
  • 89
  • 90
  • 91
  • 92
  • 93
  • 94
  • 95
  • 96
  • 97
  • 98
  • 99
  • 100
  • 101
  • 102
  • 103
  • 104
  • 105
  • 106
  • 107
  • 108
  • 109
  • 110
  • 111
  • 112
  • 113
  • 114
  • 115
  • 116
  • 117
  • 118
  • 119
  • 120
  • 121
  • 122
  • 123
  • 124
  • 125
  • 126
  • 127
  • 128
  • 129
  • 130
  • 131
  • 132
  • 133
  • 134
  • 135
  • 136
  • 137
  • 138
  • 139
  • 140
  • 141
  • 142
  • 143
  • 144
  • 145
  • 146
  • 147
  • 148
  • 149
  • 150
  • 151
  • 152
  • 153
  • 154
  • 155
  • 156
  • 157
  • 158
  • 159
  • 160
  • 161
  • 162
  • 163
  • 164
  • 165
  • 166
  • 167
  • 168
  • 169
  • 170
  • 171
  • 172
  • 173
  • 174
  • 175
  • 176
  • 177
  • 178
  • 179
  • 180
  • 181
  • 182
  • 183
  • 184
  • 185
  • 186
  • 187
  • 188
  • 189
  • 190
  • 191
  • 192
  • 193
  • 194
  • 195
  • 196
  • 197
  • 198
  • 199
  • 200
  • 201
  • 202
  • 203
  • 204
  • 205
  • 206
  • 207
  • 208
  • 209
  • 210
  • 211
  • 212
  • 213
  • 214
  • 215
  • 216
  • 217
  • 218
  • 219
  • 220
  • 221
  • 222
  • 223
  • 224
  • 225
  • 226
  • 227
  • 228
  • 229
  • 230
  • 231
  • 232
  • 233
  • 234
  • 235
  • 236
  • 237
  • 238
  • 239
  • 240
  • 241
  • 242
  • 243
  • 244
  • 245
  • 246
  • 247
  • 248
  • 249
  • 250
  • 251
  • 252
  • 253
  • 254
  • 255
  • 256
  • 257
  • 258
  • 259
  • 260
  • 261
  • 262
  • 263
  • 264
  • 265
  • 266
  • 267
  • 268
  • 269
  • 270
  • 271
  • 272
  • 273
  • 274
  • 275
  • 276
  • 277
  • 278
  • 279
  • 280
  • 281
  • 282
  • 283
  • 284
  • 285
  • 286
  • 287
  • 288

Indígenas de Brasília são ameaçados por especulação imobiliária

Moradores do bairro com metro quadrado mais caro de Brasília, especuladores imobiliários e o governo do Distrito Federal têm aumentado a pressão e os ataques contra as 55 famílias indígenas que vivem na área do Santuário dos Pajés, no noroeste da capital federal. No final de novembro, o governo distrital resolveu, sem sequer comunicar os indígenas, derrubar uma área de cerrado na região e construir uma avenida, em área que é ocupada pelos indígenas desde 1971 e está em disputa judicial desde 2008, quando se iniciou a construção do bairro nobre na área.

Em 2003, o Ministério Público Federal (MPF) moveu ação para que o Santuário fosse reconhecido como área indígena, mas, com o avanço da especulação imobiliária, que tratava a região como o “primeiro bairro ecológico do país”, nenhuma decisão foi tomada pela justiça até então. O metro quadrado do recém-criado bairro Noroeste custa R$ 9,4 mil, e os indígenas que lá vivem há décadas são considerados pelos empreiteiros um entrave para o crescimento da região e para o aumento de seus lucros.

Os indígenas que vivem no Santuário dos Pajés relatam que são pressionados pelo governo a vender suas terras, aceitando terrenos em outras regiões do Distrito Federal, e, ao não aceitarem, passaram a ser ameaçados de diversas formas. "Todos nós indígenas sabemos que, quando a gente é liderança de uma terra e não se vende, você morre, porque o branco é assim: ou compra o índio ou manda matar", afirma Márcia Guajajara, representante do Santuário dos Pajés em entrevista ao Brasil de Fato.

O Santuário, onde vivem os povos Guajajara, Fulni-Ô e Kamuu Wapichana, tem cerca de 3 mil espécies de vegetais catalogadas. Os indígenas, que antes ocupavam 180 hectares da região, agora lutam na justiça para ter seu direito reconhecido sobre ao menos 51 hectares da área.

O MPF acusa a Fundação Nacional do Índio (Funai) de "omissão" no processo de regularização das terras, "mesmo diante da existência de indícios suficientes [...] ao procedimento de identificação e demarcação das terras". No entendimento do MPF, basta a "natureza declaratória" para embasar as demarcações de terras indígenas. O órgão diz, ainda, que o direito desses povos às terras tradicionais é garantido pela Constituição Federal.

Indígenas catarinenses vão à OIT contra ataques. Os indígenas guaranis que defendem há décadas sua terra no Morro dos Cavalos, em Palhoça (SC), planejam denunciar a violação aos seus direitos para a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Em novembro, os ataques aos indígenas por parte dos fazendeiros se intensificaram, e Ivete de Souza, mãe da cacique, foi torturada e teve sua mão decepada durante o ataque.

Leandro Roberto Neves, 2º vice-presidente da Regional Norte I e um dos coordenadores do Grupo de Trabalho de Política Agrária, Urbana e Ambiental (GTPAUA) do ANDES-SN, afirma que o caso chegou ao GTPAUA, que sugeriu a denúncia à OIT como uma das maneiras de dar visibilidade à luta dos indígenas. “É uma disputa que dura décadas, e os fazendeiros têm aumentado a violência, chegando a decepar a mão de uma indígena”, critica. A Assessoria Jurídica Nacional (AJN) do ANDES-SN está preparando a denúncia.

Docente indígena é morto a pauladas em Santa Catarina. O ano de 2018 iniciou com mais um caso de ataque aos povos indígenas. O professor indígena Marcondes Nomblá foi espancado com pauladas até a morte na cidade de Penha (SC), na madrugada do primeiro dia do ano. Marcondes, formado em Licenciatura Intercultural Indígena na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), era juiz e dava aulas na terra indígena de Laklãnõ, na cidade de José Boiteux (SC), e estava vendendo picolés para complementar sua renda.

Com informações de Agência Brasil, Mídia Ninja e Brasil de Fato. Imagens de Mídia Ninja.

Fonte: ANDES-SN

ANDES