Noticias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
  • 32
  • 33
  • 34
  • 35
  • 36
  • 37
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43
  • 44
  • 45
  • 46
  • 47
  • 48
  • 49
  • 50
  • 51
  • 52
  • 53
  • 54
  • 55
  • 56
  • 57
  • 58
  • 59
  • 60
  • 61
  • 62
  • 63
  • 64
  • 65
  • 66
  • 67
  • 68
  • 69
  • 70
  • 71
  • 72
  • 73
  • 74
  • 75
  • 76
  • 77
  • 78
  • 79
  • 80
  • 81
  • 82
  • 83
  • 84
  • 85
  • 86
  • 87
  • 88
  • 89
  • 90
  • 91
  • 92
  • 93
  • 94
  • 95
  • 96
  • 97
  • 98
  • 99
  • 100
  • 101
  • 102
  • 103
  • 104
  • 105
  • 106
  • 107
  • 108
  • 109
  • 110
  • 111
  • 112
  • 113
  • 114
  • 115
  • 116
  • 117
  • 118
  • 119
  • 120
  • 121
  • 122
  • 123
  • 124
  • 125
  • 126
  • 127
  • 128
  • 129
  • 130
  • 131
  • 132
  • 133
  • 134
  • 135
  • 136
  • 137
  • 138
  • 139
  • 140
  • 141
  • 142
  • 143
  • 144
  • 145
  • 146
  • 147
  • 148
  • 149
  • 150
  • 151
  • 152
  • 153
  • 154
  • 155
  • 156
  • 157
  • 158
  • 159
  • 160
  • 161
  • 162
  • 163
  • 164
  • 165
  • 166
  • 167
  • 168
  • 169
  • 170
  • 171
  • 172
  • 173
  • 174
  • 175
  • 176
  • 177
  • 178
  • 179
  • 180
  • 181
  • 182
  • 183
  • 184
  • 185
  • 186
  • 187
  • 188
  • 189
  • 190
  • 191
  • 192
  • 193
  • 194
  • 195
  • 196
  • 197
  • 198
  • 199
  • 200
  • 201
  • 202
  • 203
  • 204
  • 205
  • 206
  • 207
  • 208
  • 209
  • 210
  • 211
  • 212
  • 213
  • 214
  • 215
  • 216
  • 217
  • 218
  • 219
  • 220
  • 221
  • 222
  • 223
  • 224
  • 225
  • 226
  • 227
  • 228
  • 229
  • 230
  • 231
  • 232
  • 233
  • 234
  • 235
  • 236
  • 237
  • 238
  • 239
  • 240
  • 241
  • 242
  • 243
  • 244
  • 245
  • 246
  • 247
  • 248
  • 249
  • 250
  • 251
  • 252
  • 253
  • 254
  • 255
  • 256
  • 257
  • 258
  • 259
  • 260
  • 261
  • 262
  • 263
  • 264
  • 265
  • 266
  • 267
  • 268
  • 269

"Cura gay" e universidade federal à distância vão à contramão de clamor popular

curaEnsino à distância é mais uma medida para esconder a precarização da educação federal.

Parece que nem mesmo o forte clamor popular por mudanças e por democracia, repercutindo no mundo inteiro, é suficiente para sensibilizar os poderes em Brasília. Demonstrando falta de sensibilidade às reivindicações populares, como o fim da homofobia e mais qualidade para a educação pública, novas ações do Executivo e do Parlamento seguem na trilha da precarização das políticas públicas e de incitação ao preconceito.

Entre essas medidas estão o anúncio do ministério da Educação de que irá enviar ao Congresso Nacional um Projeto de Lei propondo a criação da primeira universidade federal de educação à distância e a aprovação, na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, do Projeto de Lei que determina o fim da proibição, pelo Conselho Federal de Psicologia, de tratamentos que se propõe a reverter a homossexualidade, conhecido como o projeto de "cura gay".

Universidade Federal de Educação à Distância
O ministro da Educação Aloizio Mercadante afirmou nesta segunda-feira (17) que o MEC deve enviar ao Congresso Nacional em agosto um Projeto de Lei propondo a criação da primeira universidade federal de educação à distância do Brasil. Segundo o ministro, a proposta vem para aumentar a capacidade de absorção da demanda por ensino superior no país.

Para o ANDES-SN, oficializar uma universidade de ensino à distância é mais uma medida na área da educação que tenta esconder a precarização da educação federal, ao mesmo tempo legitimando a Educação à Distância (EaD) numa base única, o que traz consequências negativas para a qualidade da formação superior no Brasil. "A Educação à Distância não tem qualidade do ponto de vista social. Uma aula presencial é completamente diferente de uma aula virtual. A relação professor-aluno também é totalmente prejudicada: numa sala de aula você consegue identificar os alunos, entender suas particularidades. Na virtual você não sabe nem quem está do outro lado", afirma a 2ª vice-presidente da regional Rio de Janeiro do ANDES-SN, Elisabeth Barbosa.

A diretora do ANDES-SN também observa que, enquanto a Educação à Distância está chegando com muita intensidade no Brasil e em outros países da América Latina por interesse comercial, já vem sendo repensada em países como os Estados Unidos. "O Ensino à Distância numa perspectiva de formação superior é surreal. Educação é transformação. Como transformar algo que para você é desconhecido? Nestes casos, a relação professor-aluno no processo pedagógico inexiste", completa Elisabeth.

Projeto de "Cura gay"
Já nesta terça-feira (18), a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, presidida pelo deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP), aprovou o projeto de lei que determina o fim da proibição, pelo Conselho Federal de Psicologia, de tratamentos que se propõem a reverter a homossexualidade. A votação do projeto vem sendo adiada há várias semanas, por causa de protestos de militantes do movimento LGBTT e manobras parlamentares contra o projeto.

O projeto de decreto legislativo, de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), suspende dois trechos de resolução instituída em 1999 pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP). O primeiro trecho suspenso afirma que "os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades". O outro trecho anulado pela proposta determina que "os psicólogos não se pronunciarão, nem "participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica".

De acordo com o 2° vice-presidente do ANDES e coordenador do GT da entidade que discute relações etnicorraciais de gênero e diversidade sexual, Gean Santana, a aprovação do projeto representa um grande retrocesso, que pode reforçar mais ainda a homofobia e as consequências nefastas que ela tem para gays e lésbicas. "Se se abre essa possibilidade, estamos dizendo que os homossexuais são doentes e que precisam ser curados e cria-se, assim, um estigma de doente em relação àqueles que já enfrentam diariamente uma série de preconceitos", afirma o diretor, que lembra ainda que há mais de vinte anos a homossexualidade deixou de ser classificada como doença na Classificação Internacional de Doenças (CID).

"Por conta dessa não compreensão, temos até hoje sujeitos que não conseguem lidar de forma tranquila com a sua sexualidade. E isso não é por causa da homossexualidade, pelo contrário, isso é consequência da homofobia que está institucionalizada em diversos espaços da sociedade, como religiões e no próprio Estado. É enorme, por exemplo, a quantidade de cidadãos gays e lésbicas que se suicidam ou tentam o suicídio, a maioria jovens", alerta Santana.

*com informações da Folha de São Paulo

* Foto: Agência Brasil

Fonte: ANDES-SN

ANDES