Noticias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
  • 32
  • 33
  • 34
  • 35
  • 36
  • 37
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43
  • 44
  • 45
  • 46
  • 47
  • 48
  • 49
  • 50
  • 51
  • 52
  • 53
  • 54
  • 55
  • 56
  • 57
  • 58
  • 59
  • 60
  • 61
  • 62
  • 63
  • 64
  • 65
  • 66
  • 67
  • 68
  • 69
  • 70
  • 71
  • 72
  • 73
  • 74
  • 75
  • 76
  • 77
  • 78
  • 79
  • 80
  • 81
  • 82
  • 83
  • 84
  • 85
  • 86
  • 87
  • 88
  • 89
  • 90
  • 91
  • 92
  • 93
  • 94
  • 95
  • 96
  • 97
  • 98
  • 99
  • 100
  • 101
  • 102
  • 103
  • 104
  • 105
  • 106
  • 107
  • 108
  • 109
  • 110
  • 111
  • 112
  • 113
  • 114
  • 115
  • 116
  • 117
  • 118
  • 119
  • 120
  • 121
  • 122
  • 123
  • 124
  • 125
  • 126
  • 127
  • 128
  • 129
  • 130
  • 131
  • 132
  • 133
  • 134
  • 135
  • 136
  • 137
  • 138
  • 139
  • 140
  • 141
  • 142
  • 143
  • 144
  • 145
  • 146
  • 147
  • 148
  • 149
  • 150
  • 151
  • 152
  • 153
  • 154
  • 155
  • 156
  • 157
  • 158
  • 159
  • 160
  • 161
  • 162
  • 163
  • 164
  • 165
  • 166
  • 167
  • 168
  • 169
  • 170
  • 171
  • 172
  • 173
  • 174
  • 175
  • 176
  • 177
  • 178
  • 179
  • 180
  • 181
  • 182
  • 183
  • 184
  • 185
  • 186
  • 187
  • 188
  • 189
  • 190
  • 191
  • 192
  • 193
  • 194
  • 195
  • 196
  • 197
  • 198
  • 199
  • 200
  • 201
  • 202
  • 203
  • 204
  • 205
  • 206
  • 207
  • 208
  • 209
  • 210
  • 211
  • 212
  • 213
  • 214
  • 215
  • 216
  • 217
  • 218
  • 219
  • 220
  • 221
  • 222
  • 223
  • 224
  • 225
  • 226
  • 227
  • 228
  • 229
  • 230
  • 231
  • 232
  • 233
  • 234
  • 235
  • 236
  • 237
  • 238
  • 239
  • 240
  • 241
  • 242
  • 243
  • 244
  • 245
  • 246
  • 247
  • 248
  • 249
  • 250
  • 251
  • 252
  • 253
  • 254
  • 255
  • 256
  • 257
  • 258
  • 259
  • 260
  • 261
  • 262
  • 263
  • 264
  • 265
  • 266
  • 267
  • 268
  • 269
  • 270
  • 271
  • 272
  • 273
  • 274
  • 275
  • 276
  • 277
  • 278
  • 279
  • 280
  • 281
  • 282
  • 283
  • 284
  • 285
  • 286
  • 287
  • 288
  • 289
  • 290
  • 291
  • 292
  • 293
  • 294
  • 295
  • 296
  • 297
  • 298
  • 299
  • 300
  • 301
  • 302
  • 303
  • 304
  • 305
  • 306
  • 307
  • 308
  • 309
  • 310
  • 311
  • 312
  • 313
  • 314
  • 315
  • 316
  • 317
  • 318
  • 319
  • 320
  • 321
  • 322
  • 323
  • 324
  • 325
  • 326
  • 327
  • 328
  • 329
  • 330

Estágio Probatório: propulsor contemporâneo do assédio moral nas Universidades públicas brasileiras

No artigo a professora Eblin Farage (UFF) avalia o período do estágio probatório como penoso e marcado por ações de assédio moral.

O estágio probatório é o "período\processo que visa aferir se o servidor público possui aptidão e capacidade para o desempenho do cargo de provimento efetivo ao qual ingressou por força de concurso público" (ADUFF, 2011:06). É um período em que se faz necessária a avaliação do servidor a partir de critérios gerais estabelecidos pelo Regime Jurídico Único da União, lei 8.112\90. Critérios que se baseiam na assiduidade, disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade e responsabilidade.A partir da Constituição de 1988, quando o concurso público passou a ser obrigatório para o ingresso do servidor, estabeleceu-se a necessidade de construção de critérios de avaliação. Nesse sentido a lei de 1990, é criada para estabelecer procedimentos e definir direitos e deveres dos servidores públicos federais. O que vem acontecendo na segunda metade dos anos 2000 é que a legislação que regulamenta o serviço público federal vem assumindo um caráter punitivo, em especial para os docentes.

Cerca de 20 anos após a criação do estágio probatório, esse período da vida do professor que deveria ser de adaptação, planejamento, avaliação e projeção para as décadas seguintes, passou a ser algo penoso. A dificuldade do período pode ser atribuída em especial à prática de assédio moral que vem marcando a "recepção" dos professores recém contratados, e que deve ser analisada através de uma perspectiva política.

O debate em torno do período probatório deve ser analisado a partir de duas perspectivas centrais, quais sejam: 1) no que se refere às formas de avaliação dos docentes nas IES e 2) no que se refere à prática do assédio moral.

Sobre a avaliação dos docentes é fundamental que seja pontuado que, de forma geral, essas acontecem de maneira superficial, com base em critérios produtivistas e sem correspondência com as condições de trabalho aos quais estão submetidos. Esse período não deveria visar à análise da qualificação ou competência técnica do servidor, já que isso foi aferido pelo concurso público pelo qual ingressou no magistério superior. O objetivo "é avaliar se o novo servidor possui ou não as condições necessárias para o exercício do cargo" (ADUFF, 2011:08), e para tal deveria ser condição sine qua non, a avaliação sobre suas condições de trabalho e se essas correspondem às necessidades de desenvolvimento das atividades docentes. A avaliação só pode ser precisa se analisarmos trabalhos desenvolvidos e condições de trabalho, sem essa correspondência a avaliação se mostra como uma forma de assédio moral.

Sobre a prática cada vez mais usual do assédio moral, vale destacar o que o Ministério do Trabalho caracteriza como tal. Segundo o órgão é considerado assédio moral "toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, escritos, comportamento, atitude, etc) que, intencional e frequentemente, fira a dignidade e a integridade física ou psíquica de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho" (site WWW.mte.gov.br). Aponta, ainda, como condutas comuns nos casos de assédio moral, entre outras: instruções confusas, dificultar o trabalho, sobrecarga de tarefas, imposição de horários injustificados, retirada de instrumentos de trabalho etc.

Como é possível observar no cotidiano de trabalho, as condições a que muitos professores estão submetidos são exemplos de um devastador processo de sucateamento do ensino superior público e de assédio moral. Com elevada carga horária em sala de aula, número elevado de orientandos, ausência de infra-estrutura para a realização de ensino-pesquisa-extensão, aulas em contêineres, não reconhecimento por parte da administração central dos professores eleitos e ainda em estágio probatório para cargos nos conselhos superiores ou em instâncias administrativas etc., é possível identificar o processo em curso de precarização da Universidade pública acrescido de conservadorismo e assédio moral.

Bibliografia:
ADUFF-Sind. Cartilha Estágio Probatório. Aduff, Rio de Janeiro, 2011.

* Eblin Farage é professora do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense (UFF) e doutora em Serviço Social.

 

ANDES