Noticias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
  • 32
  • 33
  • 34
  • 35
  • 36
  • 37
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43
  • 44
  • 45
  • 46
  • 47
  • 48
  • 49
  • 50
  • 51
  • 52
  • 53
  • 54
  • 55
  • 56
  • 57
  • 58
  • 59
  • 60
  • 61
  • 62
  • 63
  • 64
  • 65
  • 66
  • 67
  • 68
  • 69
  • 70
  • 71
  • 72
  • 73
  • 74
  • 75
  • 76
  • 77
  • 78
  • 79
  • 80
  • 81
  • 82
  • 83
  • 84
  • 85
  • 86
  • 87
  • 88
  • 89
  • 90
  • 91
  • 92
  • 93
  • 94
  • 95
  • 96
  • 97
  • 98
  • 99
  • 100
  • 101
  • 102
  • 103
  • 104
  • 105
  • 106
  • 107
  • 108
  • 109
  • 110
  • 111
  • 112
  • 113
  • 114
  • 115
  • 116
  • 117
  • 118
  • 119
  • 120
  • 121
  • 122
  • 123
  • 124
  • 125
  • 126
  • 127
  • 128
  • 129
  • 130
  • 131
  • 132
  • 133
  • 134
  • 135
  • 136
  • 137
  • 138
  • 139
  • 140
  • 141
  • 142
  • 143
  • 144
  • 145
  • 146
  • 147
  • 148
  • 149
  • 150
  • 151
  • 152
  • 153
  • 154
  • 155
  • 156
  • 157
  • 158
  • 159
  • 160
  • 161
  • 162
  • 163
  • 164
  • 165
  • 166
  • 167
  • 168
  • 169
  • 170
  • 171
  • 172
  • 173
  • 174
  • 175
  • 176
  • 177
  • 178
  • 179
  • 180
  • 181
  • 182
  • 183
  • 184
  • 185
  • 186
  • 187
  • 188
  • 189
  • 190
  • 191
  • 192
  • 193
  • 194
  • 195
  • 196
  • 197
  • 198
  • 199
  • 200
  • 201
  • 202
  • 203
  • 204
  • 205
  • 206
  • 207
  • 208
  • 209
  • 210
  • 211
  • 212
  • 213
  • 214
  • 215
  • 216
  • 217
  • 218
  • 219
  • 220
  • 221
  • 222
  • 223
  • 224
  • 225
  • 226
  • 227
  • 228
  • 229
  • 230
  • 231
  • 232
  • 233
  • 234
  • 235
  • 236
  • 237
  • 238
  • 239
  • 240
  • 241
  • 242
  • 243
  • 244
  • 245
  • 246
  • 247
  • 248
  • 249
  • 250
  • 251
  • 252
  • 253
  • 254
  • 255
  • 256
  • 257
  • 258
  • 259
  • 260
  • 261
  • 262
  • 263
  • 264
  • 265
  • 266
  • 267
  • 268
  • 269
  • 270
  • 271
  • 272
  • 273
  • 274
  • 275
  • 276
  • 277
  • 278
  • 279
  • 280
  • 281
  • 282
  • 283
  • 284
  • 285
  • 286
  • 287
  • 288
  • 289
  • 290
  • 291
  • 292
  • 293
  • 294
  • 295
  • 296
  • 297
  • 298
  • 299
  • 300
  • 301
  • 302
  • 303
  • 304
  • 305
  • 306
  • 307
  • 308
  • 309
  • 310
  • 311
  • 312

Ufes completa 66 anos de existência

Neste ano de 2020, a Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) completa 66 anos de idade. É uma instituição nova - assim como a Universidade de São Paulo (USP), de 86 anos e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), de 99 anos - sobretudo se comparada à Universidade Nacional de Córdoba da Argentina, que tem 407 anos e a Universidade de Pádua da Itália, com 798 anos.

A UFES oferece, atualmente, 103 cursos de graduação, com 19.580 estudantes. Na pós-graduação possui 47 cursos de mestrado acadêmico, nove de mestrado profissional e 26 de doutorado e 3644 estudantes. Possui um quadro de 1.780 professores efetivos e 2.016 servidores técnico-administrativos.

A partir da década de 1980, a UFES teve mudanças relevantes não apenas por iniciativas locais, mas por um movimento nacional das trabalhadoras e trabalhadores em educação. Em 1987 ocorreram eleições diretas para a escolha da reitoria na UFES, uma bandeira da comunidade desde 1983. Concomitantemente, deu-se a aprovação do Plano Único de Classificação e Retribuição de Cargos e Empregos (PUCRCE), Lei nº 7.596, de 10 de abril de 1987.

A categoria docente da Ufes se fortalece quando, em 1988, a ANDES associação se torna o ANDES Sindicato Nacional, com a ADUFES, então, associação, tornando-se Seção Sindical do ANDES SN (ADUFES SSIND) em 1993.

A Constituição Federal, aprovada em 1988, revigora a pauta histórica do movimento docente: autonomia, democracia de gestão, condições de trabalho, carreira e financiamento. O princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão e a autonomia (Artigo 207) são conquistas da comunidade educacional, assim como o Decreto 5626/2005, de acessibilidade aos surdos, hoje traduzido tanto na oferta da disciplina de LIBRAS em todos os campi, quanto na atuação crescente de tradutores e intérpretes de LIBRAS. E tem sido pela preservação dessas conquistas que desde então aconteceram os tensionamentos entre a comunidade universitária e as direções local (UFES) e nacional (MEC).

A defesa da universidade autônoma passa pelo princípio da gestão democrática em todos os níveis. É a condição necessária para garantir as razões de ser de uma universidade. É proteger o ensino superior de qualquer tipo de manipulação política partidária e de autoritarismo.

Mas o que se viu nas últimas décadas na UFES? Uma autonomia limitada e tutelada por interesses políticos, econômicos e disputas de poder que se sobrepõem ao papel social, científico e acadêmico que se espera da universidade. Um exemplo recente em 2020: uma chapa para a reitoria foi escolhida por docentes, estudantes e servidores técnico-administrativos e referendada pelos órgãos colegiados da UFES. Mas não foi a chapa nomeada pelo MEC. Uma obstrução frontal à autonomia universitária.

Autonomia e democracia são princípios indissociáveis, que passaram ao largo de nossa experiência nesses últimos 32 anos. Avaliação Institucional e Estatuinte, bandeiras históricas da comunidade universitária  foram ignoradas pelas reitorias, excetuando-se a experiência de avaliação institucional em 1994,  que contou com a participação de docentes, estudantes e servidores técnico-administrativos.

O REUNI, o contrato de co-gestão do Hospital Universitário por parte da Ufes com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) e o convênio que colocou a Polícia Militar no campus foram precariamente discutidos ou discutidos em gabinetes – apesar da forte pressão da comunicade acadêmica – e, de forma autoritária, implantados pela UFES. Uma exceção, à primeira vista, foi a a política de cotas, bandeira histórica dos movimentos negros.

Com a criação da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial em 2003, nacionalmente o assunto ganhou força nas universidades, sobretudo com a aprovação das cotas na UnB (2003). Os movimentos sociais passaram cada vez mais a pressionar e exigir que o debate fosse feito na Ufes. Assim, as cotas sociais foram aprovadas em 2008 e, somente em 2012, as raciais. Uma vitória cercada de muita resistência e pouco envolvimento da gestão.

A autonomia limitada e tutelada apresenta-se como forma de ação subordinada aos governos. Dirigentes, mesmo quando eleitos pela comunidade, agem como representantes do MEC e não como legítimos defensores dos interesses da universidade. Uma  subordinação consentida a serviço de um poder burocrático e insensível à autonomia universitária. Rejeitamos o que em nossa história – institucional e nacional - pavimentou o caminho para a profunda crise que vivemos hoje, mas não abrimos mão da universidade que continuamos perseguindo enquanto sonho utópico.

Devemos comemorar os 66 anos apesar das perdas e ganhos? Sim.

Docentes, estudantes, servidores técnico-administrativos e terceirizados da Ufes devem celebrar a existência dessa instituição e sua relevância social, mantendo o espírito de luta para que ela cada vez mais se amplie e se torne democrática!

Fonte: Adufes

ANDES