MST ocupa latifúndio no estado do Mato Grosso

Mato Grosso é um dos estados com maior índice de concentração fundiária, o que acarreta diversos problemas sociais e ambientais.

Um grupo de 300 famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou na manhã desta segunda-feira (20) a Fazenda Mutum, localizada no município de Glória D´Oeste, em Mato Grosso, a 320 km de Cuiabá. As famílias que participam da ocupação são oriundas de diversos municípios da região Sudoeste do estado, como Salto do Céu, Araputanga, Mirassol D´Oeste, Curvelândia, entre outros.

Segundo o movimento, a área apresenta crime ambiental por desmatar uma Área de Preservação Permanente (APP) e extrair ilegalmente madeira, além de não cumprir a função social. A fazenda foi arrendada à Empresa LHS para o plantio de teca, uma árvore originária da Ásia. O MST pede a desapropriação da fazenda para a reforma agrária, que tem uma extensão de 2.600 hectares.

De acordo com nota divulgada pelo MST, Mato Grosso é um dos estados com maior índice de concentração fundiária, o que acarreta diversos problemas sociais e ambientais. Alegam ainda que a ocupação é consequência da concentração fundiária e da riqueza do estado, somado ao desemprego que avança sobre os trabalhadores.

Fazenda Nossa Senhora Aparecida

No último dia 13 de julho, aproximadamente, 600 famílias também ocuparam a Fazenda Nossa Senhora Aparecida, no município de Jaciara (MT). Eles ainda permanecem na área, com 2.186 hectares, que apresenta irregularidades de títulos e responde a processo por problemas ambientais movido pelo Ministério Público Estadual.

Fonte: MST

 

ANDES