Movimentos organizam protestos contra aumento de tarifa do transporte público

Os/as usuários/as de transporte público de ao menos 18 cidades do país – entre elas, sete capitais – sofrerão com o aumento na passagem de ônibus municipal nos primeiros dias de 2016. Em Vitória, a passagem de ônibus do Sistema Transcol vai subir de R$ 2,45 para R$ 2,75 a partir do próximo domingo (10). O aumento de R$ 0,30 reflete um reajuste de 12,24%, valor que está acima do Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), que fechou o ano de 2015 em 10,67%. Na cidades de São Paulo, as passagens unitárias de ônibus, trem e metrô passam de R$ 3,50 para R$ 3,80, a partir de 9 de janeiro. Já no Rio de Janeiro, as tarifas foram reajustadas dia 2. A de ônibus subiu R$ 0,40 centavos e prevê a cobrança unitária de R$ 3,80. Também terão aumento as tarifas das barcas e dos trens. O aumento na tarifa do transporte público também foi anunciado em pelo menos mais quatro capitais como Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Florianópolis (SC), Boa Vista (RR).

Para barrar mais esse ataque, integrantes de vários movimentos sociais do Estado  do Espírito Santo estão convocando os/as usuários/as do sistema de transporte público para uma reunião neste sábado, dia 09, às 14 horas, na Praça Costa Pereira - em Vitória. O objetivo do evento é  realizar protestos nas ruas da Grande Vitória contra o aumento da tarifa.

Em outras cidades, o Movimento Passe Livre convocou manifestações para hoje, sexta-feira (8) em SP, BH e RJ. “É bom que Haddad e Alckmin tenham vindo preparados para a briga, porque nós vamos bater de frente. A população não vai pagar pela crise dos ricos e nenhum centavo a mais vai sair do nosso bolso pra enriquecer ainda mais os empresários!”, alerta o movimento, no texto de convocação para o ato paulista.

Em nota divulgada no site da CSP-Conlutas, a central declara apoio às mobilizações e convoca todas entidades, sindicatos e ativistas para se unirem aos atos de suas cidades. “Defendemos a estatização do transporte sob o controle dos trabalhadores e da população, passe-livre para juventude e desempregados rumo a tarifa zero!”, afirma a Central.

 *Com edição do ANDES-SN e da Adufes - Seção Sindical

* Foto: CSP-Conlutas

Fonte: CSP-Conlutas