Censura à matéria de jornalista presa pela polícia de Casagrande

Governo havia garantido ao Observatório da Mídia da Ufes, sindicatos dos Jornalistas e Radialistas que os profissionais de imprensa teriam segurança nas coberturas, equipamentos não seriam tomados e nem haveria risco de prisão. 

Com a conivência do patronato das empresas de comunicação, as matérias feitas responsavelmente pelos jornalistas capixabas, sobre a prisão pelo BME da jornalista Bárbara Hora, durante a cobertura das manifestações, na tarde dessa sexta-feira (16), foram censuradas na maioria dos veículos de imprensa. A presidente da Comissão Nacional de Ética da Fenaj, Suzana Tatagiba, foi ouvida por todos os veículos, mas apenas alguns realmente divulgaram. Aliás, as matérias sobre as manifestações tiveram a mesma linha e até as mesas imagens -com ângulos idênticos- e pareciam até terem sido editadas pelo próprio governo. 

A jornalista Bárbara Hora, membro da Juventude do PT, estava cobrindo as manifestações paras redes sociais, quando foi abordada e jogada ao chão por uma policial militar. Ao pegar o celular para ligar para alguém vir salvá-la foi presa e levada para os carros do BME parados em frente ao Palácio do Governo.

Felizmente, membros da Comissão Estadual de Direitos Humanos e a presidente da Comissão Nacional de Ética da Fenaj ao andar pela Cidade Alta, local onde fica localizada a sede do Governo, encontraram a jornalista detida, sentada no chão ao lado do carro do Batalhão de Missões Especiais- uma das polícias mais violentas do governo Renato Casagrande, do PSB.

Advogadas do Sindicato dos Jornalistas do Espírito Santo foram chamadas e a jornalista foi levada presa para o DHPP da Polícia Civil. Depois de horas de espera e conversa do delegado da PC e dos militares que tiveram a coragem de acusar a jornalista de desacato – xingar e jogar pedras nos policias- e, por fim,dela representar um perigo ao policial do BME armado até os dentes, a jornalista negou todas as acusações e, após muita burocracia, foi liberada.

Governo sem palavra

Na terça-feira (13), os Sindicatos dos jornalistas, Radialistas e Observatório da Mídia da Universidade Federal do Espírito santo (Ufes) estiveram reunidos com os secretários estaduais de Segurança Pública e de Comunicação. Ouviram do secretário de Segurança, André Garcia, que os jornalistas teriam segurança nas coberturas e que todo “cidadão capixaba” poderia filmar e registrar as manifestações e seus equipamentos não seriam tomados pela polícia e nem eles correriam risco de prisão.

Ledo engano, promessa vazia. Dois dias depois a polícia militar tem a mesma atitude de sempre: atira para todos os lados, sem distinguir manifestante, população, trabalhadores e a imprensa dos vândalos.

Aliás, a Polícia Militar do Espírito Santo não prende os vândalos. Uma coisa muita estranha, não? Só os manifestantes de cara limpa são presos e autuados.

Fonte: Sindijornalistas- ES

ANDES