Campus Goiabeiras vazio: paralisação tem grande adesão na Ufes


Panfletagem nos portões de acesso ao campus de Goiabeiras, em Vitória, alerta comunidade sobre o desmonte de o governo Temer.  O que se percebe logo de manhã são prédios e estacionamentos praticamente vazios, com alguns poucos estudantes circulando a pé.

O material entregue na panfletagem informa os transeuntes sobre as razões da paralisação e denuncia os prejuízos das reformas trabalhista e da Previdência, assim como os cortes na educação.  Técnico administrativos e  docentes estão concentrados neste momento em frente aos portões de acesso à universidade. Várias faixas estão penduradas nas cancelas, e os veículos não entram.

A greve nacional de 24 horas contará com Ato Unificado logo mais no Centro de Vitória. Às 9h30, os manifestantes deixam à universidade para integrar às atividades deste dia de luta. O ato sairá da Praça de Jucutuquara e culminará na Praça Oito, com participação de várias outras categorias do setor público e privado para lutar contra a reforma da Previdência que só traz prejuízos à classe trabalhadora.  “Somente derrotaremos os ataques do governo com a mobilização popular. Esperamos todos os docentes lá”, convoca o presidente da Adufes, José Antônio da Rocha Pinto.

Greve mantida
Na sexta-feira, 1º de dezembro, as centrais sindicais Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Nova Central, União Geral dos Trabalhadores (UGT) e a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) resolveram adiar a Greve Nacional. O motivo seria o possível adiamento da votação da Reforma da Previdência, na Câmara dos Deputados, em Brasília. A pauta estava prevista para ser apreciada no dia 06 de dezembro. Entretanto, a Adufes respeitando as orientações do ANDES-SN (Sindicato Nacional dos Docentes) e a definição de sua base manteve toda a programação de mobilização e paralisação da categoria, bem como o Sindicato dos Trabalhadores Técnico Administrativos da Ufes (Sintufes). NOTA DE REPÚDIO AO CANCELAMENTO DA GREVE NACIONAL DO DIA 5 DE DEZEMBRO DE 2017

GREVE05 12 ROCHA CANCELASEm assembleia realizada na quinta-feira (30), os docentes da Ufes definiram por ampla maioria que é preciso defender o direito à aposentadoria e que a mobilização tem que avançar e crescer na sociedade. A compreensão da categoria é que, diante da nova tentativa do governo Temer de aprovar a Reforma da Previdência, os/as trabalhadores/as precisam demonstrar força, resistência e unidade.

ANDES