Hoje: ato pela memória e justiça das mortes da greve da PM

A atividade desta terça-feira (27) será na Praça Costa Pereira, a partir das 17 horas

“Lembrar pra não repetir, lutar para que a justiça prevaleça”, com esse lema, familiares e integrantes de movimentos negros, entidades  sindicais e populares do ES participam logo mais de uma vigília na região central de Vitória. O ato quer chamar a atenção do governo e da população para as mais de 200 mortes registradas no estado durante a greve da Polícia Militar. O movimento paredista ocorreu há um ano, entre 4 a 25 de fevereiro.

As vítimas assassinadas durante a greve eram de perfil recorrente no dia a dia policial: homens jovens, negros e residentes na periferia. Enquanto esposas e amigos de policiais militares bloqueavam a saída das viaturas e dos agentes nas portas dos batalhões para exigir melhores salários para a tropa,  o massacre acontecia nas ruas e teria sido conduzido por grupos de extermínios.  Sem policiamento, a sociedade ficou refém da criminalidade e do medo.

Para os organizadores da vigília desta terça-feira,  a sociedade não pode deixar esse momento trágico na história do Espírito Santo cair no esquecimento.  “Precisamos cobrar do governador Paulo Hartung e do sistema de justiça o resultado da apuração dessas mortes e a reparação aos familiares das vítimas que, na maioria dos casos, seguem sem respostas”, destaca o movimento. O grupo pede que os participantes levem cruzes, velas, flores, cartazes,  faixas e outros símbolos de protestos para lembrar as vítimas e pedir por justiça.

 Fonte: Adufes ( c/ informações Círculo Palmarino ES) 

 

 

ANDES