1ª Mostra Balbúrdia Universitária expõe trabalhos feitos na Ufes

A exposição reuniu mais de 100 projetos de diferentes centros da universidade e abrangeu cursos da graduação e da pós-graduação. Dezenas de experiências das áreas de saúde, ciências exatas, tecnológica, educação do campo, ambiental, cultural, linguística, entre outras, chamaram a atenção dos visitantes. 

A atividade ocorreu na tarde de quarta-feira, 15, e foi uma resposta à provocação do ministro da educação Abraham Weintraub que disse que nas universidades só se faz “balbúrdia”, que nada se produz.  Após a fala desastrosa, o governo anunciou o bloqueio de verba, inclusive de pesquisas das instituições federais de ensino, sob justificativa de austeridade.

Em reação à má fé do governo Bolsonaro, a Comissão organizadora da Greve Nacional ES convocou a comunidade universitária da Ufes a expor trabalhos de ensino, pesquisa, extensão e assistência. “A resposta foi imediata. Vários estudantes, técnicos e docentes atenderam a convocação e durante a Mostra demonstraram entusiasmo e conhecimento para apresentar seus trabalhos”, comemorou Lara Gobira, da comissão organizadora e da secretaria executiva da CSP-Conlutas.

Foram livros, dissertações, teses, artigos, banners, cartazes, além de diversas dinâmicas, tudo relacionado à “balbúrdia” que é produzida cotidianamente na universidade.  Para a professora Erineuza Silva, a Mostra foi um espaço importante de diálogo com a comunidade externa.  Uma das coordenadoras do projeto “Cuidadores que Dançam”, Erineuza apresentou vivências corporais com apoio dos alunos.

A diretora da Adufes, Magda Castro, docente do Centro de Ciências da Saúde (CCS), falou com a imprensa sobre a importância da Mostra “Balbúrdia”. “Esta é uma ação de luta e de mobilização contra os cortes de verba na educação. Temos orgulho de estar à frente da organização desta atividade que reuniu, em poucas horas, centenas de pessoas”, destacou.  De acordo com os organizadores, a iniciativa deverá se repetir em breve.

Fonte: Adufes 

ANDES