C/ vídeo - Mobilização leva Conselho Universitário da Ufes a discutir Future-se e corte de bolsas

A comunidade acadêmica propõe que a discussão sobre o programa "Future-se" e seus impactos na educação pública e na universidade ocorra no próximo dia 26,  data da próxima sessão do colegiado.

Após pressão das entidades representativas dos docentes, técnicos e estudantes, o Conselho Universitário  (CUn) da Ufes concordou, na quinta-feira (5), pela convocação de uma sessão pública e aberta para discutir o programa do MEC. A data do debate ainda não está definida, mas o coletivo S.O.S Ufes, formado pela Adufes, Sintufes e DCE, quer que o evento ocorra o mais rápido possível com indicação para quinta-feira (26/9), quando ocorrerá  às 13h30 a sessão extraordinária  do  CUn.

A expectativa é que o CUn rejeite integralmente o projeto proposto por Bolsonaro, via Ministério da Educação, que permite a privatização das universidades e institutos federais. “Vamos pressionar para que o debate ocorra logo e que haja liberação das aulas e das demais atividades (acadêmicas e administrativas) da Ufes para garantir ampla participação de todos os estudantes e trabalhadores da universidade, inclusive dos campi do interior”,  diz o presidente da Adufes, José Antônio da Rocha Pinto.

Vigília.  Na quinta-feira (5), as entidades realizaram uma vigília no prédio da reitoria visando acompanhar a sessão do CUn e pressionar para que o assunto “Future-se” fosse incluído na discussão da sessão extraordinária. Mesmo sem discutir o mérito do programa, os conselheiros sob pressão e atendendo pedido das entidades deliberaram que será realizada uma sessão pública e aberta sobre o tema.

Ocupação estudantil. Além do "Future-se", os cortes orçamentários movimentaram a sessão do CUn. No meio da tarde, a sala do colegiado foi ocupada por estudantes bolsistas e não bolsistas, o que levou o presidente do colegiado e reitor Reinaldo Centoducatte a suspender os trabalhos. Os manifestantes, no entanto, continuaram no recinto e relataram para os demais conselheiros  a situação dramática vivida pelos 1.100 alunos que perderam bolsas, no valor de R$ 400, do Programa Integrado (PIB), o que inclui Projetos Especiais de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Paepe) I e II, à Iniciação Científica e à Extensão.

Os conselheiros presentes assinaram um documento convocando uma sessão do CUn para discutir o corte de bolsas. A data desta sessão está sendo definida por uma comissão criada durante a reunião.
Assista vídeo ocupação estudantil sessão do CUn

Fonte: Adufes 

ANDES