Movimento de Luta por Moradia completa 30 anos e debate trajetória

Adufes foi representada por Marlene Cararo, que no final dos anos 90, era presidenta do Conselho Comunitário de Vila Velha e apoiou ocupações coordenadas pelo movimento de luta por moradia.

Foi realizado no último fim de semana, na Associação de Moradores do Parque Residencial, em Terra Vermelha, o 1º Congresso Municipal do MNLM, em Vila Velha, cidade berço do Movimento de Luta por Moradia no Estado. A atividade, que reuniu mais de 100 pessoas, relembrou a importância histórica do movimento.

Durante o evento foram feitos encaminhamentos para o congresso do Movimento Estadual de Moradia Popular do ES (MEMPES), que será realizado ainda no primeiro semestre. Foi sugerido que seja implementado um loteamento de interesse social em parceria com o MEMPES e prefeitura de Vila Velha.  Além disso, fortalecer a mobilização das atividades do 1° de maio, Dia dos/as Trabalhadores/as. Também foram discutidas as perspectivas de luta por Reforma Urbana e Habitação Social em âmbito estadual e nacional.

A diretora da Adufes, Marlene Cararo, saudou o grupo e destacou a importância da moradia e da educação pública. “São garantias sociais atacadas e destruídas pelo atual governo”, criticou Marlene. Ela também destacou que a Adufes desenvolve suas ações de forma conjunta com movimentos sociais na defesa da Educação pública. “Queremos que cada um de vocês e seus filhos estudem na Ufes, por isso continuamos em luta", disse ao público no Congresso Municipal do MNLM.

Os 30 anos de história da Reforma Urbana e Habitação no Brasil e no Espírito Santo está sendo lembrado com a realização de congressos municipais que começaram em dezembro/2019 e vão até março de 2020. Já nos meses de maio e junho acontecem os congressos estaduais. Em julho, será o 1° Congresso Nacional, em Brasília/DF.

Ocupações. Durante o evento Maria Clara, uma das principais lideranças da luta por moradia do ES, falou sobre as ocupações mais marcantes que participou: São Pedro, Nova Rosa da Penha, região do Santuário de Vila Velha e no bairro São João Batista, nas décadas de 1980, 1990 e 2000, respectivamente.

Entre 1989/1990, a professora Marlene Cararo era presidenta do Conselho Comunitário de Vila Velha, ocasião que foi realizada uma ocupação a qual esteve à frente Maria Clara. Ela, que já foi homenageada pela Adufes e pelo Fórum Capixaba de Lutas Sociais, também participou da organização das ocupações em 2017, entre as quais podemos destacar a Chico Prego.

Fonte: Adufes

ANDES