Campanhas de solidariedade contra os impactos do coronavírus no ES

Adufes divulga e participa de campanhas em Alegre, São Mateus e Grande Vitória.

Uma rede de apoio tem se fortalecido no Estado para amenizar os impactos da pandemia da Covid-19 na vida da população. As campanhas são importantes, pois o que o poder público tem feito é insuficiente em relação à dimensão das necessidades da população.

São Mateus. Uma das campanhas tem à frente a comunidade acadêmica do Ceunes (norte do ES), que arrecada donativos para cerca de 80 famílias atendidas por projetos de extensão e entidades filantrópicas.

De acordo com o professor do Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas, Rogério Oliveira Faleiros, a rede de solidariedade tem trabalhado ouvindo as demandas das comunidades atendidas e há um esforço conjunto para a obtenção de recursos. “Entendemos que nas famílias que já vivem em situação de alta vulnerabilidade social, em época de pandemia isso se agrava, portanto não podemos deixar que essas pessoas fiquem à sua própria sorte", enfatiza Rogério. 

No Ceunes, segundo o professor, há três frentes atuando neste momento crítico. Uma está preparando cartilha de esclarecimentos sobre o Covid-19; um outro projeto de extensão está responsável pela montagem gráfica do material e um terceiro grupo cuidando da campanha de arrecadação. Para isso, foi firmada uma parceria com um supermercado da cidade que entrega as cestas (no valor de R$100,00) nas casas das famílias. “Temos estudantes que vivem em situação de vulnerabilidade que também estão sendo atendidos”, conclui Faleiros. (imagem 2- com doar em dinheiro).

Rede AfirmAção Solidária. O agravamento da crise de saúde pública ocasionado pela pandemia vem causando dificuldades para estudantes de baixa renda da rede de cursinhos populares, que atende moradores/as de diversas comunidades da Grande Vitória/ES. “Muitos estão passando por dificuldades para garantir o alimento e o acesso aos itens básicos de higiene”, diz o coordenador do AfirmAção, Lula Rocha.  (imagem da campanha)

Lula explica que a campanha recebe doações de cupons de compra de supermercados, cestas básicas e de qualquer valor através do PicPay (@redeafirmacao) e da Vakinha Online (https://www.vakinha.com.br/vaquinha/campanha-rede-afirmacao-solidaria).

Mais informações sobre a campanha em:

Facebook https://www.facebook.com/135760083636905/posts/658647851348123/

Instagram https://www.instagram.com/p/B-aSifejeY1/?igshid=1i0kv44zl5ye8

WhatsApp 27 99793-8060

Máscaras solidárias em Alegre. A vice-presidenta da Adufes, Aline Bregonci explica que é uma iniciativa de professores e servidores da Ufes, membros de coletivos locais,entidades religiosas e sociedade civil,  que tem a finalidade de confeccionar máscaras em tecido. As máscaras estão sendo feitas de acordo com as orientações dadas pelo Ministério da Saúde e podem ser lavadas e reutilizadas.

As máscaras serão doadas ao lar dos idosos de Alegre, lar das crianças, a projetos sociais e a famílias em vulnerabilidade social. Além de doar as máscaras, o grupo objetiva alcançar as pessoas com informações educativas para conscientização das medidas necessárias para o combate ao Covid-19, como a intensificação de hábitos de higiene, isolamento social e o uso da máscara. 

Mais do que contribuições em dinheiro, é possível ofertar materiais, como tricoline, algodão, TNT, elástico e linha. As doações podem ser entregues nas Drogarias Central e Dose Certa.

Adufes colabora com doações. A Adufes está contribuindo com as campanhas de São Mateus, Alegre e Grande Vitória e, como explica a diretora da Adufes, Keli Silva, docente do campus de São Mateus, “enquanto verificávamos como poderíamos ajudar, várias/os docentes nos procuraram perguntando se havia alguma ação em andamento com nosso apoio. Isso só reforçou a importância de nossa participação”.

Agora, a diretoria da Adufes está analisando como pode ampliar essa ajuda. O número de trabalhadoras/es informais só cresce e no Espírito Santo, 41,6% da população economicamente ativa está na informalidade. “Essas pessoas estão sem renda nesse período, agravando ainda mais suas condições de vida. O que podemos fazer é pouco, diante de tantas desigualdades, mas não podemos deixar de fazer tudo o que pudermos”, finaliza Ana Carolina Galvão, presidenta da Adufes.

Fonte: Adufes 

ANDES