Reunião conjunta dos setores do ANDES-SN demonstra que a Ufes está na contramão da maioria das universidades

Na reunião conjunta dos Setores (IFES/IEES/IMES), realizada online no último dia 17, as seções sindicais apresentaram breve balanço das ações políticas e de solidariedade desenvolvidas durante o período da pandemia. Veja relatório 

Os representantes de 52 seções sindicais discutiram a suspensão do calendário acadêmico, assim como a importância de reação à Instrução Normativa nº 28 (publicada em Diário Oficial em 26/3 pelo Ministério da Economia), que orienta a suspensão do pagamento de auxílio transporte, adicional noturno, adicionais ocupacionais (periculosidade, insalubridade, raio x etc.).

Ensino a Distância. No levantamento realizado pelo Andes-SN e apresentado com o relatório da reunião dos setores, das 30 instituições que responderam à consulta pouquíssimas são aquelas que estão impondo a substituição das aulas presenciais pelo uso de plataformas virtuais.

Na Ufes, o calendário está mantido até o momento e a Resolução n. 07/2020 do Conselho Universitário abre a possibilidade de atividades a distância (ainda que não obrigatórias), mesmo com reivindicações de estudantes, servidoras/es e docentes para que as decisões da instituição não excluam membros da comunidade acadêmica que não tenham a estrutura para colocar em prática essas atividades.

Em sua exposição durante a reunião, a presidenta da Adufes, Ana Carolina Galvão, destacou que o sindicato tem cobrado a reitoria e se reunido com a administração central em relação a diversos pontos, entre eles, a suspensão do calendário e a não utilização  de plataformas on line.

Instituições de Ensino Superior (IES) com atividades presenciais suspensas. O Andes-SN também apresentou relatório de consulta feita  às IES sobre a suspensão do calendário acadêmico. Somados ao levantamento que a Adufes também realizou, os dados mostram que há 35 universidades federais com calendário suspenso. Esse número sobe para 43 quando consideradas as instituições estaduais, institutos federais e CEFET .

“É um número expressivo e a Ufes está fora desse levantamento, o que demonstra que estamos na contramão da maioria das universidades por não termos ainda suspendido o calendário”, criticou a presidenta da Adufes. 

A professora informou ao Andes-SN sobre reuniões realizadas com as instâncias superiores da universidade, além de ofícios enviados à reitoria e aos conselhos superiores pedindo a suspensão do calendário  pelo tempo que for necessário à garantia de segurança para a  circulação de pessoas. A reunião do Conselho de Pesquisa e Extensão, que apreciará a solicitação feita pela Adufes ainda não tem data marcada.

Ações de solidariedade. A solidariedade neste momento de pandemia torna-se essencial para todas e todos que podem ajudar. Durante a reunião, a grande maioria das seções sindicais informou que está atuando em frentes solidárias. Como encaminhamento da reunião, recomendou-se que as seções sindicais deem continuidade ou se engajem em ações de solidariedade, acompanhadas do debate sobre a importância dos serviços públicos de saúde e assistência social, tanto quanto da cobrança dos poderes públicos estaduais e municipais e nas IES pela manutenção e ampliação das políticas de assistência estudantil.

A professora Ana Carolina citou a participação da Adufes em campanhas de arrecadação de cestas básicas realizadas em São Mateus  e do Cursinho AfirmAção, da Grande Vitória. O Sindicato também adquiriu materiais para que máscaras caseiras fossem confeccionadas e doadas a famílias em vulnerabilidade social, lar de idosos e projetos sociais em Alegre e Vitória. 

Veja na lista alguns projetos desenvolvidos pela comunidade acadêmica da Ufes 

Em articulação às decisões da reunião dos setores, a Adufes realizará sua próxima live, já marcada para o dia 29, tratando do tema “O combate ao coronavírus no Espírito Santos” com a participação do professor José Geraldo Mill (Ufes/HUCAM) e o subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin” . “Procuramos atender nossas demandas locais em articulação com as pautas nacionais e na reunião pudemos constatar que estamos no caminho para construir essa integração”, disse Ana.

 

Defesa das/os terceirizadas/os.  O Andes-SN também quis saber sobre a situação das/os trabalhadoras/os terceirizadas/os das universidades em meio à pandemia. Assim como na Ufes, na quase totalidade das instituições essas/es trabalhadoras/es continuam exercendo suas atividades diárias em sistema de rodízio ou em horários reduzidos. Houve demissões e até mesmo decretação de férias coletivas.

“Isso mostra o total descaso e elitismo das nossas instituições de ensino em relação à saúde das/os trabalhadoras/es terceirizadas/os, que precisam pegar transporte público, expondo-se ao risco de contração do novo coronavírus, para continuar suas atividades”, criticou a presidenta da Adufes.

Proposições. Ao final do encontro foram definidas por consenso propostas como divulgação das pautas do Andes-SN em spots de rádio, peças publicitárias, campanha de valorização das universidades e sua atuação durante a pandemia e lives (confira as propostas no relatório). A Adufes ainda propôs a verificação, pelas seções sindicais, sobre o enquadramento funcional das/os docentes nesse período de realização de trabalho remoto. “Em consulta direta, constatamos que somos uma das poucas universidades que está cometendo a irregularidade de registrar “Trabalho Remoto” na tipificação de “Afastamento”. Por isso pedimos que o Andes-SN amplie esse debate para que possamos enfrentá-lo coletivamente”, afirmou Ana.

Fonte: Adufes 

ANDES