“Ensino remoto não é só questão de acesso”, diz presidenta da Adufes

Live com Adufes, Sintufes e DCE ocorreu em 24/6

Ana Carolina Galvão abriu a transmissão destacando uma série de lives que a Adufes (assista as lives no Youtube Adufes) vem fazendo que problematizam as resoluções da universidade. A Adufes também está realizando plenárias setoriais com a categoria e discutindo teletrabalho e ensino remoto. A presidenta fez oficialmente o lançamento da campanha “Ufes contra o ensino remoto: ninguém fica para trás!” e leu o manifesto construído democraticamente pelos três segmentos. 

Ana explicou que como a educação a distância tem métodos e regulamentações específicas, “estamos usando o termo ensino remoto, pois ele expressa o arremedo tecnológico que isso representa. Ainda que a Ufes conseguisse garantir para todas e todos as condições técnicas, não será possível oferecer educação de qualidade”, salientou. Ana Carolina também frisou que as/os servidoras/es não estão trabalhando da mesma forma. “O tempo, esforço e condições são diferentes e a nossa jornada precisa ser repensada”.  

Além da diretora do sindicato, também participaram da atividade dessa quarta, 24, sobre “Ensino remoto e teletrabalho na UFES”, Luar Santana (Sintufes) e Emanuelle Kisse (DCE). Na oportunidade, foram debatidas as condições da universidade para o teletrabalho e as consequências de uma possível adesão ao ensino remoto. De acordo com Luar Santana, o teletrabalho já está sendo realizado na universidade e em condições muito adversas.

“Estamos discutindo essas modalidades de trabalho dentro de um contexto de pandemia. Precisamos analisar a forma como isso está sendo implementado”, disse, lembrando os ataques sofridos pela universidade e os cortes de verbas, que aprofundam a  precarização das condições de trabalho. “Caminhamos rumo à privatização das universidades, mesmo em meio à pandemia”, criticou Luar.

Representou o Diretório Central dos Estudantes (DCE) Emanuelle Kisse, que citou a tentativa do governo de barganhar com as universidades. “Estão pressionando para que retomemos as aulas e em troca liberariam os recursos contingenciados”. A estudante também destacou que o governo não está se preocupando com as condições do retorno das aulas.

Segundo Emanuelle, o Ministério da Educação (MEC), está na verdade, se aproveitando da pandemia para intensificar o desmonte da universidade. “Essa modalidade de ensino não será solucionada apenas garantindo acesso ao computador e a internet, é preciso levar em consideração as condições sociais dos estudantes”, lembrou.

Assista live “Ensino remoto e teletrabalho na UFES”.

“Trabalho Docente na Ufes”. O próximo debate virtual terá a participação das professoras Dulcinea Sarmento Rosemberg (aposentada, Departamento de Biblioteconomia) e Maria Elizabeth Barros de Barros (Departamento de Psicologia Institucional). Outro convidado é Gaudêncio Frigotto, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), professor do Departamento de Fundamentos Pedagógicos. A transmissão será no dia 30 de junho, a partir das 17 horas, pelo Youtube e Facebook da Adufes.  

 

Fonte: Adufes

ANDES