Dia de luta: carreata em Vitória pediu 'Fora Bolsonaro e Mourão'

Em vários pontos do trajeto da carreata pelo "Dia de luto, dia de luta – Em Defesa da Vida e do Emprego", foi possível ouvir aplausos da população.

Durante a manhã desta sexta (7), manifestantes foram às ruas da capital e denunciaram, mais uma vez, o presidente Bolsonaro e o governo Casagrande pelas mortes pela covid-19. Mais de 50 carros acompanharam o percurso, que teve à frente um carro de som. A carreata e as ações de afixação de cartazes e faixas seguiram as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), em virtude da pandemia.

Em sintonia com a mobilização nacional, o ato público começou cedo, com concentração no Tancredão, na capital capixaba. De lá, seguiram em direção à rodovia Serafim Derenze, região da Grande São Pedro e passaram pela Ufes, em Goiabeiras. Na volta, o percurso foi feito pela Reta da Penha, uma das principais e mais movimentadas avenidas de Vitória. A carreata foi finalizada no início da tarde, em frente ao Palácio Anchieta, sede do governo do Estado.

Na ocasião, as/os manifestantes criticaram a ausência de medidas que assegurem o isolamento social e estabilidade no emprego por parte dos governos Bolsonaro e Casagrande (PSB). Foram exigidas políticas públicas efetivas de saúde, que resguardem a vida da população, sobretudo dos mais pobres, principais vítimas do novo coronavírus. Segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa, o país registra 98.844 óbitos e 2.927.807 diagnósticos confirmados (até as 13h desta sexta, 7). O Espírito Santo registrou, até quinta (6), 2.666 mortes por Covid-19. O número de casos confirmados chegou a 88.543.

Pedestres e diversos trabalhadores e trabalhadoras pararam para escutar o grupo, acenar e buzinaram em apoio à intervenção. Em sua fala, a secretaria geral da Adufes, Junia Zaidan salientou que, no estado, a atividade também tem como objetivo pressionar o governo Renato Casagrande (PSB). Nos últimos meses o governador vem cedendo à pressão dos empresários e não dialoga com a sociedade civil, inclusive ameaça retomar o ensino presencial mesmo que sem vacina para a covid.

"Recentemente professores e pais de alunos protocolaram um manifesto junto à Secretaria Estadual de Educação (SEDU) que traz as principais preocupações diante das manifestações públicas do Governador Casagrande e do secretário de Educação, Vitor de Ângelo, em relação à reabertura das escolas”, disse, destacando quea o enfrentamento à Covid desafia as entidades e movimentos sociais a atuarem em diversas esferas, em unidade.

Campanha Fora Bolsonaro. O Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe-Ifes), uma das entidades que fazem parte do Fórum Capixaba em Defesa da Vida dos Trabalhadores e Trabalhadoras, colocou outdoors denunciando a ausência de políticas de saúde. As peças foram afixadasem Vila Velha, Ibatiba e sul do Estado, com os dizerem "A morte não pode governar o Brasil – Fora Bolsonaro".

O diretor da entidade, que esteve presidente na carreata desta sexta (7), Thalismar Gonçalves, ressaltou que mesmo com o aumento dos casos de contaminação pela covid-19, Jair Bolsonaro vem mantendo uma atitude anticiência. “Com a promessa de um remédio mágico e barato, atua para enfraquecer a quarentena. O presidente não tem provas de que a cloroquina é eficaz”, disse, lembrando ainda que mesmo chegando a quase 100 mil mortes, Bolsonaro continua defendendo o fim do isolamento social e criticando a ciência.

Para Thalismar, os outdoors que foram espalhados no início desta semana cumprem um papel importante de estabelecer comunicação com a população. Segundo o Sinasefe, a iniciativa foi deliberada na Plenária Nacional da entidade. "A pandemia de Covid-19 nos colocou frente a situações inéditas e, especial, a área da saúde e a da educação. Apesar dos números alarmantes de contaminados e de vítimas e dos impactos sociais e emocionais, o governo continua tomando decisões equivocadas, na contramão da garantia do direito à educação e à vida", enfatizou.

Fórum. O dia de luta “Em Defesa da Vida e do Emprego – Fora Bolsonaro e Mourão" é uma iniciativa do Fórum Capixaba em Defesa da Vida das Trabalhadoras e Trabalhadores, em articulação com centrais sindicais em nível nacional, que denuncia o descaso dos governos estadual e federal diante da pandemia e reivindica abertura de diálogo com a sociedade civil organizada por parte do governo Renato Casagrande (PSB). O movimento é composto por cerca de 50 entidades, entre centrais sindicais, movimentos populares, coletivos, partidos e sindicatos, incluindo a Adufes.

Fonte: Adufes

ANDES